26 Out. 2013 // 5 Jan. 2014

AEROGRAMA | MANUEL BOTELHO

Sala de Exposições Temporárias | Temporary Exhibitions Room

“Nos últimos anos vi crescer o meu desejo de identificação com os homens da minha geração que há muito tempo embarcaram para Angola, Guiné e Moçambique, escondidos atrás de um camuflado e uma G3. Sei que não fui um deles. Tive a fortuna de estar no último ano do curso de arquitetura quando o 25 de Abril pôs termo ao pesadelo que me ensombrou a adolescência, e já não experimentei a guerra ao vivo e em direto. Mas vivi-a intensamente, numa antecipação obsessiva que durou toda a juventude”.

Manuel Botelho

“Nesta exposição encontramo-nos maioritariamente perante a série Aerograma, num trabalho que amplia, transforma e desenvolve esse antigo suporte de mensagens, gratuito para as Forças Armadas Portuguesas em tempo de guerra colonial […]. Convergem nestes desenhos a escrita, sobretudo a escrita alheia, e uma iconografia onde citação e invenção se defrontam, criando a imagem de uma solidão, tudo isto para tratar graficamente um tema ainda parcialmente ignoto fora da evocação literária ou memorialística. […] Estes desenhos são, em maior ou menor grau, uma interacção texto imagem, onde o texto caligrafado cita quase sempre cartas de soldados para casa, anónimos uns, outros bem conhecidos […]. A palavra transcrita é, neste caso, o documento bruto, enquanto o desenho, dá uma óbvia continuidade ao anterior desenho figurativo de Manuel Botelho […]”.

Extracto do texto José Luís Porfírio do Catálogo “Professores” Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, Fundação Calouste Gulbenkian
1234
Desculpa as cartas brutais que por vezes te mando (inclui excerto de aerograma de Mário Beja Santos), 2009 | lápis e aguarela sobre papel | 66 x 50.5 cm
Desculpa as cartas brutais que por vezes te mando (inclui excerto de aerograma de Mário Beja Santos), 2009 | lápis e aguarela sobre papel | 66 x 50.5 cm
facebook Lugar do Desenho